Quer ter sucesso? Aprenda a errar



Passei anos refletindo e estudando sobre pessoas e suas relações com o trabalho. Gosto de observar atitudes e entender o que acontece por trás delas. Nesse processo percebi que muitas pessoas vivem no "modo automático": trabalham por trabalhar, aproveitam o que dá no tempo livre e sentem-se obrigadas a ter a vida que levam de segunda a sexta. 


O que mais me incomodou ao observar a relação das pessoas com o trabalho em várias indústrias de países e classes sociais diferentes foi o MEDO DE ERRAR. Não ser bem-visto pelos chefes e colegas de trabalho, perder o emprego, ser criticado/questionado pelos outros são os maiores medos das pessoas. 


Mas, afinal, o que é errar? O que é fracassar? É realmente algo ruim? Eu atuava como consultora de inovação (e estava acostumada a errar muito!) quando conectei os pontos: somos educados desde pequenos a ver o erro como algo negativo e crescemos com esse mindset. A não ser que você passe por um processo de transformação profunda do seu modelo mental (o que aconteceu comigo ao trabalhar com inovação), você seguirá com o mesmo mindset para o resto da vida.


Fiquei tão incomodada com o medo de errar das pessoas que perdi algumas noites de sono refletindo sobre o assunto há três anos. Desde então, trabalho como designer educacional, coach e mentora para quebrar o modelo mental do "eu não posso errar/fracassar'' em estudantes e adultos.


Fracassamos ou desistimos?

Tive a oportunidade de trabalhar em mais de 70 projetos nos últimos dez anos. Decidi analisá-los e cheguei à conclusão de que mais de 54% desses projetos não deram certo. Será que eles foram um fracasso mesmo ou as pessoas/empresas desistiram deles?


Relembrei cada projeto em que trabalhei (desde projetos em multinacionais até projetos pessoais) para entender por que alguns não deram certo e a minha conclusão foi: os projetos não deram certo porque não tiveram continuidade, faltou conexão das pessoas com o propósito deles e ninguém se dedicou 100% para tirá-los do papel e realmente fazê-los acontecer.


"Até que ele tentou, mas não deu certo".; "E se não der certo? O que faço?"; "Não quero ser um fracassado". Quantas vezes você escuta frases como essas no seu dia a dia? Comece a prestar atenção, pois elas são mais comuns do que você imagina.


Não dar certo é quase sempre visto como fracasso, por isso temos tanto medo de tentar algo novo e não dar certo; ninguém quer fracassar. Mas... você sabe o que a palavra fracasso significa? De acordo com o dicionário online Dicio, fracasso significa:


"1. Ausência de sucesso.

2. Ação de fracassar, de não obter o que se pretendia em qualquer âmbito da vida. 3. Derrota, insucesso.

4. Barulho causado pela queda de alguma coisa; barulho, estrondo."


Fracassar é não obter o que se pretendia. Se o que você tentou fazer não teve continuidade ou você se dedicou 100% ao projeto, não pode afirmar que fracassou. As chances de você ter desistido do seu projeto em vez de ter fracassado são bem maiores. Ele poderia ter dado certo, e muito certo!


Mas, se você não se sentiu conectado com o propósito do projeto, quer dizer que ele não fazia sentido para você naquele momento da sua vida. Nesse caso, você desistiu de forma consciente: havia outros projetos que lhe trariam mais benefícios do que aquele projeto em particular.


Portanto, tire o peso do fracasso das suas costas! Muitas vezes você nem chegou a fracassar e, mesmo quando tiver certeza de que fracassou, aprenda com os erros que cometeu e siga em frente. Transformar o mau resultado em ruína ou aprendizado é uma escolha sua e você é o único responsável por ela.


Eu poderia trazer inúmeros casos de pessoas famosas para exemplificar o que acabei de falar, mas você pode encontrar facilmente esses exemplos ao "dar uma googleada" rápida na internet (pesquise por "pessoas que fracassaram e deram a volta por cima"). Poderia falar de mim também, pois já errei e fracassei algumas vezes, zerei minha conta bancária, mas consegui dar a volta por cima financeiramente e me sinto muito realizada e feliz com a vida que tenho hoje. Porém, quero falar de algo mais relevante nestas últimas linhas que tenho.


Continuar um projeto até o final, se dedicar 100% a ele (seja pessoal ou de uma empresa), exige que você não tenha medo de errar e fracassar. Não é à toa que desistimos tanto e temos o sentimento tão forte de fracasso.


Enquanto o medo do erro predominar em nossos pensamentos e atitudes, não será possível alcançar o sucesso que tanto almejamos e somos capazes de conquistar. O seu sucesso é diferente do meu, que é diferente do sucesso para seu colega de trabalho, subordinado, chefe, vizinho, irmão, amigo, namorado etc. Somos sete bilhões de pessoas no mundo e somos COMPLETAMENTE DIFERENTES uns dos outros, com sonhos diferentes.


Mudar a forma como você enxerga o erro é mudar a forma como você pensa e age, ou seja, o seu modelo mental. Isso é complexo e difícil, não é uma tarefa fácil! O primeiro passo para mudar é aceitar que você não tem controle de nada e que tudo em que você acredita foi construído a partir de experiências vividas ao longo da sua vida. Quando aceitamos isso, nos abrimos para o novo e começamos, aos poucos, a quebrar paradigmas, os quais transformarão profundamente nosso modelo mental ao longo do tempo. A forma como você fará a transformação do seu modelo mental não importa. Você pode mudar de emprego, de país, conviver com pessoas diferentes, meditar, tirar um ano sabático, arriscar mais no emprego, abrir um negócio, fazer terapia/coaching/mentoria, ser voluntário, trabalhar por conta própria etc. Não há um único caminho, não existe fórmula mágica. Acredito que todas as respostas estão dentro de cada um de nós – só precisamos tirá-las do inconsciente, trazê-las para o consciente, aceitar que temos limitações e identificar formas de trabalhar essas limitações para ter disciplina e foco e, assim, alcançar nossos objetivos.


Se o texto fez sentido para você, comece a agir já! Não deixe para amanhã. O seu sucesso depende única e exclusivamente de você, mas para alcançá-lo você precisará errar e aprender muito. Você está disposto a isso?


Marina Trindade

Coach e consultora com foco em educação, desenvolvimento pessoal e execução de projetos. Fundadora da Aporé, aceleradora de pessoas que oferece programas de mentoria profissional para jovens. Tem experiência em inovação nas áreas de design thinking, desenvolvimento de novos negócios, open innovation e planejamento estratégico. Economista (FEA-RP/USP) com especialização em Project Management (PMI) e em Psicologia Social (Wesleyan University). Possui colunas sobre inovação, educação e mentoria publicadas em revistas e blogs na América Latina.