Os melhores líderes equilibram inteligência analítica e emocional



Tradução e adaptação do artigo The Best Managers Balance Analytical and Emotional Intelligence de Melvin Smith , Ellen Van Oosten and Richard E. Boyatzis

Alguma vez você se dirigiu a um colega de trabalho ou um membro da sua equipe de forma que ele tenha se sentido ferido ou desvalorizado, mesmo que essa não fosse sua intenção?


Há uma grande chance de que você tenha oferecido uma solução da sua perspectiva quando o que ele precisava mesmo era da sua escuta empática. Talvez você tenha focado em prazos e análises quando ele necessitava de compreensão e compaixão. Este é um desafio que toda liderança enfrenta em algum momento: como equilibrar visão estratégica e de relacionamento?


Como líder, é necessário atender tanto as preocupações que afligem a equipe quanto tomar decisões críticas relacionadas à sustentação do negócio. O problema é que ambas as formas de raciocínio são ativadas por partes diferentes do cérebro. E, algumas vezes, ficamos presos na rede do cérebro focada na solução de tarefas ou na rede que facilita a compaixão e a conexão social. É claro que para que tenhamos uma liderança mais efetiva é necessário que exista um equilíbrio entre ambas as inteligências. Porém, é fundamental entender o desafio específico da equipe e compreendermos seus sentimentos e estado emocional. Usar a perspectiva deles para formarmos os nossos pensamentos e estar abertos a ouvir e entender o que eles ouvem, vêem e sentem.


Uma pesquisa realizada pelo professor Anthony Jack, da Case Western Reserve University em Cleveland, indica que que as duas maiores redes do nosso cérebro são a rede analítica (ou técnica de tarefas positivas) e a rede empática (de modo padrão). O surpreendente é que essas duas formas de redes cerebrais são opostas uma à outra, chegando até a supressão, ou seja, quando uma é ativada a outra é desativada.


O Pesquisador apelidou as duas redes de pólos opostos da razão. Ambos envolvem atividade cognitiva, pensamento lento ou acelerado e principalmente envolvem a razão. Entretanto a rede analítica é mais focada em informação e análise de dados e a rede empática é mais direcionada a pessoas ou observações qualitativas.


Os líderes mais eficazes realmente são capazes de alternar entre as duas redes em frações de segundos. Porém, é preciso compreender que, para que tenhamos essa capacidade, é preciso autoconsciência e intenção consciente.


Como alcançar o equilíbrio certo?


1. Esteja ciente de sua rede neural dominante, a forma que você naturalmente reage em situações diversas. Para saber isso você pode se perguntar:

a. Como eu estou processando as coisas neste momento? Estou focado nos fatos ou nas pessoas?

b. Quais situações tendem a me levar a pensar de forma mais analítica e quais situações me levam para a empática?

c. E, finalizando: passo mais tempo na rede neural analítica ou empática?


2. Exercite a rede neural que é a menos natural para você:


a. Empática:

  • Tenha pelo menos 15 minutos de conversa com alguém em que seu único objetivo seja entender a outra pessoa e não resolver o problema ou dar conselhos.

  • Quando estiver ouvindo alguém, pare tudo o que você está fazendo ou pensando, dê sua completa atenção ao outro. Tente perceber o que está além do que está sendo dito como linguagem corporal, tom de voz e sinais de emoção.

  • Se você acha que tem certeza de algo esforce-se para desafiar essa suposição e considerar outras possibilidades.

b. Analítica:

  • Crie uma lista de tarefas e estabeleça um prazo para finalizá-las, mesmo que não sejam demandas com data de entrega. O desafio é comprometer-se com sua tarefa.

  • Identifique uma situação no trabalho que precise de uma nova solução para alcançar um bom resultado. Antes de perguntar para outras pessoas, analise você mesmo a ideia. Pesquise, anote prós e contras, recursos e tudo mais que for necessário para fazer dar certo. Estruture toda a ideia sozinho antes de pedir outras opiniões.

  • Faça um levantamento das suas despesas domésticas nos últimos 12 meses e veja quais informações você consegue tirar dos números. Ex: meses de maior consumo

3. Pratique o equilíbrio das redes neurais no seu dia a dia. Estando mais consciente de quando você está operando em uma frequência ou em outra é possível alterar mais rapidamente de acordo com a necessidade do momento. Esteja atento: a. Entenda a sua motivação. Às vezes temos a consciência e o domínio da alternância, mas decidimos não fazê-la. Não perca o seu foco no equilíbrio.

b. Ao tomar (ou comunicar) uma decisão, avalie os impactos pessoais e gaste um tempo cuidando destes aspectos mais subjetivos e não só os técnicos.

As redes neurais analíticas e empáticas estão sempre em conflito no seu cérebro. Por isso, tenha claro que você não precisa decidir entre uma ou outra, nenhuma é boa ou má. Você precisa equilibrar as duas para ser um líder realmente eficiente.

Fonte: https://hbr.org/2020/06/the-best-managers-balance-analytical-and-emotional-intelligenceutm_campaign=hbr&utm_source=linkedin&utm_medium=social&registration=success