É hora de remanejar (fora e dentro da gente)





Nos últimos dias tenho recebido uma enxurrada de memes e posts sobre o quão desafiador está sendo lidar com as mudanças. É home office, home office com filhos, queda de faturamento, tédio pela falta do que fazer, ansiedade e outras dificuldades.

Pra mim também não está sendo fácil. E percebi que neste turbilhão o mais complexo é lidar com as expectativas. A expectativa de ter a rotina produtiva de volta, de voltar a fazer negócios como antes, de poder ir pro parque ou mesmo sair pra comer uma simples pizza. Para muitos, está tudo parado. Ah, e como seria bom voltar tudo ao normal! Os mais otimistas dizem que vai até voltar melhor, mas ninguém consegue prometer quando.

Então estamos vivendo um cenário de incertezas. Por um lado, temos a expectativa de que essa mudança acabe logo. Por outro, sem resposta de como, quando e de que forma isso acabará.

E já que não temos resposta, o jeito é remanejar. Por fora, testar novos caminhos. Minha primeira semana em casa foi um caos. Horários que não funcionaram, choro de criança todo dia, trabalhos ficando pra trás, ... E foi aí que subi o primeiro degrau de aprendizagem. Saí da "incompetência inconsciente" e fui pra "incompetência consciente".

Ou seja, após uma semana eu já sabia que não sabia me organizar na mudança. E isso é lindo! Porque quando temos consciência da incompetência podemos buscar novas formas de fazer. Então comecei a tentar novas formas: ajustar o cronograma diário, cozinhar e congelar umas coisas, intercalar trabalho e brincadeiras pra ninguém ficar cansado. Fui fazendo mudanças por fora e agora já estou vivendo na "competência consciente". Estou me virando bem na mudança, mas com consciência dos protocolos que estou seguindo.

Mas a mudança não foi só por fora. Por dentro, tive que lidar com tristeza, frustração, desânimo. E tive que redesenhar diversas crenças, inclusive para promover as mudanças por fora.

Me convenci de que não precisava cozinhar todo dia, reduzi a expectativa do que conseguirei realizar de trabalho e alinhei com as pessoas que convivem comigo, expressei minhas frustrações para pessoas que confio e recebi acolhimento e palavras que me ajudaram a ressignificar algumas crenças, pesquisei sobre outros momentos de crise na história e inspirei meu consciente e inconsciente sobre o poder que temos de reerguer (mesmo após momentos muito sofridos). Tudo isso me ajudou a remanejar o que sentia por dentro.

E sabe o que é o mais doido? Agora estou passando pro estágio "competência inconsciente", no qual já estou fazendo várias coisas da nova rotina sem nem pensar sobre elas. Porém, mais cedo ou mais tarde, virá uma nova onda de mudança. Sim, a crise passará, novos planos e desafios virão.

Já começa a dar um friozinho na barriga de pensar que o momento atual ficará pra trás. Sim, toda mudança, incluindo positiva, vem acompanhada de medos e receios.

Mas quando entendemos que as mudanças e os altos e baixos são parte da vida, e também aprendermos que existe em cada um de nós a capacidade de remanejar nossas vidas - por dentro e por fora - estaremos cada vez mais preparados superação.


Marcela Zucherato.