Como o Ikigai pode te ajudar a encontrar seu diferencial



Se você está em busca de crescimento profissional e já entendeu que para isso precisa desenvolver seu lado pessoal, em algum momento da sua jornada você já deve ter se deparado com uma ferramenta chamada Ikigai. Isso aconteceu comigo na minha trajetória e, para mim, foi um exercício muito importante não só para encontrar o meu propósito, mas para identificar o meu diferencial.

Se você ainda não preencheu ou se já preencheu, mas sente que ainda não chegou numa síntese que realmente te representa, eu recomendo que você acompanhe minhas dicas, perguntas e sugestões aqui nesse texto. Vamos lá?

Bom, Ikigai é uma palavra japonesa que significa "razão de viver". Literalmente, "iki" quer dizer viver e "gai" quer dizer razão. Ou seja, por mais que a ferramenta seja simples e que se diga que é possível encontrar seu Ikigai nas coisas simples da vida, o preenchimento do Ikigai não é algo trivial. Portanto, minha recomendação é que você não encare o preenchimento de maneira burocrática, como mais uma coisa a fazer em sua lista de tarefas. É importante que você esteja disposta a mergulhar em si, olhar para suas luzes e sombras, se reconhecer, se valorizar.

É fundamental um mergulho em si para que o resultado reflita sua verdade, para que você possa encontrar seu propósito de fato e não apenas ter mais uma ferramenta preenchida no fundo da sua gaveta, que você não usa pra nada.

Como diz Ken Mogi, autor do livro Ikigai: os cinco passos para encontrar seu propósito de vida e ser mais feliz, "A beleza do Ikigai é que é algo muito pessoal. Não é algo dado a você, de forma passiva. Você precisa explorar sua mente e cultivar seu Ikigai."


Como preencher a mandala do Ikigai:



1. Comece de dentro para fora:

  • Liste as coisas que você ama. Faça como numa sessão de brainstorm, deixa as ideias virem, não julgue. Anote tudo. Mesmo aquilo que te parecer "nada a ver".

  • Na sequência, liste o que o mundo precisa. De novo, sem julgamentos. Tente contemplar o contexto macro e o micro. Pense no mundo e no seu bairro, pense na sociedade e na sua persona.

  • Depois vá para o outro lado (é mais fácil responder o que você pode ser paga para fazer depois de responder todas as outras). Liste no que você é boa. Sem filtro e sem autossabotagem. Valorize-se! E aproveite para lembrar o que as pessoas costumam te pedir para fazer, o que as pessoas reconhecem ou já reconheceram que você faz bem, elogios que você já recebeu. Mas não se esqueça de listar também aquilo que você acha que faz bem, mesmo que as pessoas não saibam ou não reconheçam isso, ok?

  • Por fim, faça uma revisão de tudo que você listou até aqui e liste o que você pode ser paga para fazer. Comece pela lista das coisas que você já havia listado e aproveite para ser criativa e pensar em novas coisas que você pode ser paga para fazer e ainda não tinham aparecido na roda.

2. Vá para a primeira rodada das intersecções:

  • O que há em comum ou muito semelhante na sua lista do que você ama e o mundo precisa? Jogue para sua lista da missão.

  • Depois veja o que há em comum entre o que o mundo precisa e o que você pode ser paga para fazer. Jogue para a sua lista da vocação.

  • Depois, pegue o que há em comum entre o que você é boa e o que você pode ser paga para fazer e jogue para a lista da profissão.

  • Por fim, liste no campo da paixão o que há em comum entre a lista do que você ama e a lista do que você é boa.

Dica: se você não encontrou semelhanças aqui é porque a primeira rodada do exercício necessita de maior aprofundamento. Meu conselho é você dar um tempo e voltar no dia seguinte. Olhe mais fundo para você e complemente as listas. Eu garanto pra você que uma hora você irá encontrar. Eu passei por isso.


3. Continue aprofundando, agora na segunda rodada das intersecções:

  • O que há em comum ou muito semelhante entre a sua missão e a sua vocação?

  • O que há em comum entre a sua vocação e a sua profissão?

  • O que há em comum entre a sua profissão e a sua paixão?

  • O que há em comum entre a sua paixão e a sua missão?

Dica: não é todo template que contém essa terceira rodada, as primeiras versões que eu preenchi não tinham. Com o tempo, percebi que aquilo que eu tinha preenchido como Ikigai ainda estava "incompleto". Em especial, eu passei muito pela excitação e a incerteza. Eu estava amando o que havia definido, mas às vezes eu tinha essa sensação de incerteza, de que não era aquilo que me moveria adiante. Ter preenchido essa última rodada de intersecções fez toda a diferença! Por isso eu recomendo.


4. Por fim, mergulhe fundo na raiz e defina seu Ikigai:

  • Dê uma olhada em tudo que você escreveu, faça uma análise, encontre as relações, faça conexões, procure encontrar o cruzamento ou o que há em comum em todas as listas, ou pelo menos, na terceira rodada da intersecção.

  • Sintetize este núcleo em uma frase inspiradora.

Com essa síntese, você conseguiu definir seu propósito. Algo que te motiva e contribui para que você se levante da cama e seja persistente mesmo nos piores dias. E, se você conseguiu chegar numa frase bem inspiradora, dificilmente essa definição será igual a de outra pessoa. Com isso, além de ter encontrado seu propósito, você encontrou também um diferencial. Algo que você irá colocar no mundo de maneira autêntica, única. Desfrute!