Ansiedade, medo e pânico: o impacto emocional das crises



Talvez você conheça a “história da vaquinha”. É uma parábola bem conhecida. Vou contá-la de forma resumida para você.


“Um homem, uma mulher e seus três filhos pequenos tiravam todo o seu sustento de uma vaquinha magra e cansada. Um sábio chinês e seu discípulo pediram abrigo para a família e, logo depois que saíram da casa, o sábio pediu para o discípulo pegar a vaquinha e atirar no precipício. O discípulo fez o que o sábio pediu, mas ficou anos com remorso do seu ato.


Alguns anos depois o discípulo voltou até o local e ficou surpreso ao encontrar um sítio lindo e uma família forte e saudável em lugar que já havia sido tão miserável. Ele perguntou o que havia acontecido e recebeu a seguinte resposta:


– Nós tínhamos uma vaquinha, de onde tirávamos nosso sustento. Era tudo o que possuíamos, mas um dia ela caiu no precipício e morreu. Para sobreviver, tivemos que fazer outras coisas, desenvolver habilidades que nem sabíamos que tínhamos. E foi assim, buscando novas soluções, que hoje estamos muito melhor que antes.


Moral da história: se você não jogar a sua vaquinha no precipício alguém vai jogá-la por você.”


A natureza está jogando nossa vaquinha pelo precipício neste exato momento: nossas certezas, nossas seguranças e nossa zona de conforto.


Como você se sente nesses momentos? Medo, pânico, preocupação, ansiedade, entre outros estados emocionais negativos estão se espalhando tão rápido quanto o próprio vírus.

Falamos de crise econômica, crise política, crise social, mas não falamos de crises emocionais no sentido mais amplo: como lidar com as minhas emoções e com as emoções das outras pessoas durante crises.


Você pode estar lidando bem com a crise, mas a pessoa do seu lado não está. E, de repente, você percebe que está se sentindo ansioso e preocupado com algo que não estava há poucas horas atrás. Ou você percebe que não está lidando bem com a crise e levou o estado emocional negativo para outras pessoas.


Não importa se você é líder, faz parte de um time ou trabalha de forma autônoma: você, neste exato momento, está lidando com as suas emoções e com as emoções de outras pessoas e tentando sobreviver depois da sensação de morte da sua vaquinha e da vaquinha dos demais.

Antes de mais nada, é importante, neste momento, preservar nossa saúde mental por meio da busca do equilíbrio emocional. Caso o medo, a preocupação, a ansiedade, o pânico (entre outros estados emocionais negativos) tomem conta de você, trazemos aqui algumas sugestões do que você pode fazer para retomar diariamente o equilíbrio emocional:


- Use as ferramentas que você já conhece e costuma usar para acalmar a mente e ter equilíbrio emocional (religião, yoga, ficar com a família, limpar a casa, escutar música, ver um filme, etc.);


- Se sentir que está perdido(a), não consegue ter clareza de pensamentos, fica ansioso(a) e não consegue sair do lugar nem agir, pare e respire por alguns minutos. Se fizer sentido para você, use aromas (óleos essenciais, incenso, etc) ou músicas de alta frequência (acima de 400 hz - no Google e Spotify você encontra essas músicas) enquanto faz a respiração. Ondas vibracionais de alta frequência e aromas diversos trazem estados emocionais positivos para a nossa mente;


- Crie uma rede de apoio emocional. Procure estar próximo(a) de pessoas que também estão se trabalhando diariamente para manter o equilíbrio emocional durante a crise. Algumas pessoas talvez deixem o estado emocional negativo predominar, mas não julgue, ninguém é melhor do que ninguém, cada um está dando o seu melhor neste momento de acordo com a sua história e experiência de vida;


- Se possível, acompanhe com menos frequência as notícias nos veículos de comunicação em massa. Eles potencializam em escala os estados emocionais negativos;


- Se sentir necessidade, peça ajuda para profissionais de saúde (psicólogos, psiquiatras, terapeutas holísticos, etc).


Que todos nós possamos manter o equilíbrio emocional nesta crise para que sejamos capazes de desbloquear a nossa criatividade e criar, juntos, um mundo novo a partir do mundo que foi destruído com a morte das nossas vaquinhas.


Marina Trindade.